Como investir no futuro de seus filhos

Pais e filhos: assegurando o futuro financeiro da prole

pais e filhosCerta vez, recebi um comentário neste blog sugerindo-me que dedicasse mais artigos respondendo perguntas relacionadas a casos reais. Aceitei o desafio e a receptividade foi tão positiva que este será o terceiro post seguido publicado nesta linha.

Vejam abaixo mais uma questão enviada por um leitor.

 

“Tenho dois planos de previdência privada para meus filhos de 2 e 5 anos (VGBL – tabela regressiva), com taxa de administração de 3% a.a. Gostaria de saber se vale a pena resgatar agora os planos e aplicar em títulos do governo, com vencimento para 2024 atrelados ao IPCA (NTNB)?”

 

Como investir em e para seus filhos

Bem, podemos notar que, diferentemente dos dois últimos casos reais publicados, este não é relacionado a nenhum tipo de dívida. A dúvida é, basicamente, sobre decisão de investimentos. Estamos nos deparando com um, digamos, “problema bom”. O leitor já investe e quer melhorar a rentabilidade de sua aplicação.

Como sempre, decisões sobre investimentos de longo prazo trazem um alto grau de incertezas. Mas vamos refletir sobre o assunto, com o que temos de informação hoje.

Investimentos em previdência privada possuem duas principais vantagens: 1) ajudam na disciplina quanto a poupar dinheiro todo mês: esse é um efeito psicológico que auxilia muitas pessoas que não fariam tal poupança de longo prazo de outra forma; 2) a administração do dinheiro é realizada por profissionais que, em tese, teriam maior capacidade de escolher bons investimentos, dentro das regras que regem aquele fundo de previdência.

Porém, não precisa ser um especialista para verificar que, de maneira geral, os fundos de previdência privada (principalmente aqueles atrelados a investimentos em renda fixa) não apresentam rentabilidades tão animadoras. Um VGBL (renda fixa) de um grande banco que consultei, com taxa de administração também de 3% ao ano, apresentou rentabilidade de 8,75% nos últimos 12 meses. Modesto, não?

Portanto, creio que uma primeira atitude do nosso leitor seria verificar qual está sendo a rentabilidade dos últimos anos, da previdência que está fazendo para os filhos. Realizada tal consulta, talvez existam outras possibilidades, como a aventada por ele próprio: NTNB Principal, vencimento 2024, que está oferecendo hoje uma rentabilidade de 5,54% + IPCA. Escolhendo uma corretora com taxa de administração convidativa (hoje existem corretoras em que a taxa é zero), tal investimento parece ser, a primeira vista, mais atrativo que a maioria dos fundos de previdência – para uma discussão mais aprofundada sobre rentabilidade em investimentos, consulte meu Especial Investimentos.

Porém, tenho algumas considerações a fazer, sobre tal aplicação sugerida pelo leitor:

1) A possibilidade de investir a uma taxa de 5,54% a.a+IPCA existe HOJE. Ao longo do tempo, ela irá variar conforme a economia for mudando;

2) Todo investimento tem risco. O relativo a essa modalidade de título público é a taxa de juro real subir com o passar do tempo. Suponhamos que após 5 anos uma NTNB esteja pagando 10%+IPCA. Será que aqueles que compraram o mesmo título a uma taxa de 5,54% a.a.+IPCA estarão felizes com algo que rende, em termos reais, a metade do que o mercado oferece? Certamente não. Por outro lado, se a taxa de juro real sofresse uma queda no futuro, quem possuísse este tipo de investimento estaria sorrindo à toa. Além disso, os títulos do governo são marcados a mercado, significando que haverá grandes flutuações em seu valor investido até 2024 (sim… em algumas situações você pode perder dinheiro em renda fixa. Veja como, no excelente blog O Pequeno Investidor).

Seria interessante que o leitor se aprofundasse na leitura de artigos relacionados aos títulos do governo, de forma a fazer uma “aposta” mais consciente. Basicamente, é buscar traçar um cenário econômico mais provável para os próximos anos e escolher um título que se adeque a essas expectativas (existem outras opções além da NTNB).

 

MINHA SUGESTÃO AOS PAIS

Apenas o ato de nosso leitor fazer uma poupança para os filhos já é louvável. A preocupação em obter uma maior rentabilidade então, mereceria uma medalha de honra ao mérito, quando o comparamos à média da população brasileira.

Quanto à minha sugestão, é bastante difícil indicar a melhor saída com tão pouca informação (e mesmo se eu tivesse todas, a incerteza sempre estaria presente), mas segue uma hipótese a ser analisada:

1) Pare de aplicar na previdência, caso a rentabilidade se mostre nos níveis que citei anteriormente. Porém, não mexa no dinheiro já investido. Espere certo tempo até que a tributação sobre a rentabilidade chegue a níveis aceitáveis. Ou a depender do valor aplicado, retire o dinheiro e aceite a perda relativa à mordida do leão. Vale lembrar que em VGBL a tributação se dá apenas nos rendimentos, o que talvez faça com que essa perda não seja tão significativa.

2) Pense na resposta à pergunta que farei a seguir.

Quem deveria aceitar menos risco: os pais, que precisam sustentar a família, ou os filhos, isentos de responsabilidades financeiras no presente?

Creio que o bom senso diz que a posição mais defensiva deverá ser a dos pais. Os filhos, como não necessitam desse dinheiro no momento, aceitariam mais risco em troca de maior rentabilidade. Logo, por que não traçar uma estratégia mais “arriscada” para eles? O grande mestre Gustavo Cerbasi disse em entrevista, certa vez, que faz poupança para os filhos comprando ações small caps (de alto risco). Ou talvez aceitar a sugestão tantas vezes propalada pelo meu amigo Henrique Carvalho, do Blog HC Investimentos, e investir parte do futuro dos filhos em ETF´s (clique aqui para saber mais).

3) Por fim, minha dica é montar uma carteira de investimentos mais agressiva para os filhos. Uma boa parte em renda variável e a outra em títulos do governo. Comprar vencimentos com prazos muito longos, geralmente não é tão adequado, dado que o risco torna-se maior à medida que diminui a previsibilidade. Mas é importante ficar atento, pois a depender dos fatos econômicos, outros títulos podem se tornar mais interessantes que a NTNB e, talvez, outras possibilidades em renda fixa (fundos imobiliários, por exemplo). O segredo é estar sempre de olhos bem abertos.

 

CONCLUSÃO

Do meu ponto de vista, o maior investimento que o amigo leitor poderá oferecer aos dois filhos é ensiná-los os conceitos de finanças pessoais que está aprendendo ao longo do tempo. Ao atingirem a maioridade, tendo os pais acumulado 100 mil ou 1 milhão de reais, o mais importante será que com uma sólida educação financeira, eles serão capazes de caminhar com as próprias pernas.

Boa sorte em suas finanças e vida pessoal.

 

Quer ter o conforto de receber, a cada 15 dias, as atualizações do blog e outras novidades quentíssimas, por e-mail? Cadastre-se agora mesmo.


 




Sobre o Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.
  • Guto Silveira

    Parabéns Prof.Elisson por mais uma artigo brilhante.

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Valeu Guto… Eu que agradeço pela ideia.

  • Regina

    Muito bom! Parabéns!

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Muito obrigado!!!!!

  • Regina

    Experiência própria: o filho com melhor visão financeira é aquele que soube administrar o primeiro porquinho (cofrinho) que ganhou quando era criança.

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      A arte está em conhecer bem o filho ou filha e saber fazer com que o assunto DINHEIRO entre de forma lúdica e assimilável em sua vida. Obrigado pelo comentário Regina.

  • Daniely da Silva

    Boa tarde Elisson,

    Li o seu artigo “Resultados das Simulações com fundos de Rendas Fixas” no seu antigo Blog. Achei-o muito interessante e me ajudou a sanar algumas dúvidas.
    Sou aluna de administração da PUC-SP e estou fazendo minha monografia sobre aposentadoria. Meu objetivo é dizer qual é o melhor investimento, fundos de renda fixa ou previdência privada, para pessoas que estão pensando em aposentadoria.
    No desenvolver do meu TCC falei sobre o déficit previdenciário, as famílias da previdência privada (PGBL, VGLB, FAPI) e os investimentos de Renda Fixa (títulos públicos, cdb´s. debêntures, etc).
    No meu último capítulo, decidi fazer alguns cálculos de previdência privada e fundos de investimento de RF. Para calcular a previdência privada, encontrei um site muito bom (http://www.buscaprev.com.br/) que faz a comparação de diversos planos de previdência, levando em consideração o seu investimento mensal, taxa de adm, carregamento, etc.
    Através desse site pude fazer os cálculos de Previdência privada comparando diversos investimentos, prazos e rentabilidade. Contudo, não consigo fazer os cálculos para um fundo de investimento em RF.
    Teria como você me auxiliar nesses cálculos? Indicando-me livros, sites, ou até mesmo uma fórmula para calcular a rentabilidade final?
    Desde já agradeço.

  • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

    Olá Daniely
    Ajudo com todo prazer. Estou voltando hoje para o Brasil e vou ter mais tempo para lhe ajudar. Envie-me um e-mail através do formulário de contato desse blog, e vamos conversando.
    Abç

  • Fernanda

    Muito bom, tenho PP para meu filho e vou verificar todas as suas dicas e ver o que é melhor! Muito obrigada, valeu!

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Eu que a agradeço Fernanda. :)

  • LLJ

    Professor Parabéns pelo seu blog, seu texto também está excelente.
    Acho que seu leitor também deveria dar uma olhada no texto do Dr. Money (http://www.drmoney.com.br/educacao-financeira/poupar-para-os-filhos/), onde ele sugere que os pais invistam mais na própria aposentadoria. Sou um pouco avesso a ideia de fazer tudo pelos filhos, afinal a maior motivação e o valor que daremos ao que temos está na realidade na conquista, a luta, os obstáculos, as pequenas ou grandes dificuldades são ingredientes insubstituíveis ao prazer de conquistarmos nossos objetivos. É como o pai que constrói um império e depois não entende porque o filho não quer saber nada daquilo, é perfeitamente compreensível, afinal o império não foi seu sonho, mas sim do pai dele. Existem pessoas que só pensam em dinheiro, outras não, elas sabem exatamente o valor do dinheiro, as do primeiro grupo vivem para o dinheiro, as outras vivem do dinheiro, aí pergunto ao amigo leitor: a qual grupo no futuro pertencerá seus filhos?
    Abraços

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Obrigado pela sugestão de leitura LLJ.
      Gostei muito de sua reflexão e complementação sobre educação dos filhos. Esse é um tema árido dentro das finanças pessoais e vc o abordou de maneira bem lógica.
      Espero que possa continuar prestigiando meu blog e fazendo comentários.
      Abç
      Elisson

    • http://www.jbsilva2.com.br Mônica Japiassú

      Eu e meu marido pensamos exatamente dessa forma!

      De que adianta fazer investimentos específicos para os filhos se, em um momento de altos gastos imprevistos, os pais se veem obrigados a pegar dinheiro “dos filhos” e se sentem superfrustrados por isso? Já vi alguns casos desse tipo.

      O maior investimento que estamos fazendo pelas nossas filhas é exatamente dar educação financeira a elas, como bem falou o Prof. Elisson na conclusão de seu ótimo artigo!

      Se nós, que não tivemos quando crianças toda essa educação financeira a que temos acesso hoje em dia nem poupanças específicas para nós, estamos conseguindo ter uma ótima trajetória financeira, nossas filhas ganharão o mundo antes mesmo de se casarem! Hehehehe!

      • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

        Olá Mônica. E o mais importante que considero é que com educação financeira, não importará muito qual a profissão que suas filhas escolherão. Sabendo lidar com dinheiro, qualquer coisa que fizerem será por gosto, e não por obrigação ou imposição da sociedade. Abração.

  • http://ciparegionalsul2012.blogspot.com/ Valter Rufino

    Bom dia! Passo por algo parecido com nossos colegas, tenho uma filha que vai fazer 3 anos e estamos planejando um segundo filho, então, buscamos um valor pequeno e vamos alternando mensalmente em Títulos públicos, CDBs, Ações, poupança, etc, sempre buscando uma segurança na diversidade e retorno a longo prazo, com taxas pequenas do banco e menor incidência do IR.
    Parabéns, pelo seu trabalho, aprendi muito.

  • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

    Valter, obrigado pelo comentário oportuno, parabéns pelo planejamento financeiro para os filhos e espero mais comentários em próximos artigos. Abç

  • Marcel F

    Estava vendo meu VGBL aqui e a rentabilidade dos últimos 12 meses foi de cerca de 9%, já descontada a taxa de administração – alta, de 2%aa, pelo menos conforme site do banco). Descontada a inflação dos últimos 12 meses, a rentabilidade líquida foi de 3,81% (se fosse sacar hoje, ainda teria o IR). Considerando a baixa da SELIC, a tendência de VGBL’s em renda fixa é terem rendimento cada vez menor e essa taxa de administração, se não baixar, vai comer todo o rendimento, já q a inflação não parece reduzir muito por agora.
    Pretendo paralisar os aportes e reinvestí-los em outra coisa, enquanto o produto não se torna mais atrativo.

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Olá Marcel
      Essa sua análise é o que TODAS as pessoas deveriam fazer. Com a diminuição da taxa de juros, agora mais do que nunca, altas taxas de administração/carregamento irão ser fator decisivo na rentabilidade. Enquanto tínhamos taxas de juros nominal de 15% ao ano, muitos não percebiam que uma taxa de adm de 3% era alta. Hoje em dia, esse patamar torna o investimento em renda fixa completamente inviável. Abração, obrigado pelo comentário e aguardo os próximos.

  • Alex Oliveira

    Prezado Professor,

    Perfeito esse seu blog, era algo assim que estava precisando, comentários feitos por um profissional capacitado e qualificado, que dar dicas financeiras porque gosta da matéria e sente-se bem em ajudar! Isso é ser um professor.

    O seu conhecimento é meu sonho de consumo, parabéns!

    Indicarei a todos os meus amigos!

    • http://www.profelisson.com.br Prof. Elisson de Andrade

      Olá Alex. Muito obrigado pelas palavras e por se colocar à disposição em ajudar a divulgar o blog. Tais palavras me dão ânimo para continuar caprichando nos posts :) Abração

  • Pingback: Parabéns meu filho, bem vindo ao clube dos endividados. - Prof. Elisson de AndradeProf. Elisson de Andrade