Parcelar ou não parcelar, eis a questão.

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

 

 

Dia desses, conversando com pessoas muito próximas a mim, ouvi de uma delas o seguinte ponto de vista:

“sempre comprei parcelado (…) só consegui tudo o que já tive graças ao crédito (…) se fosse esperar para comprar à vista, nunca teria, por exemplo, um carro (…) e já vou trocar por um novo, financiando de novo”.

O tema não é nada novo, a declaração acima já é velha conhecida de todos que acompanham blogs sobre finanças pessoais, mas acredito ser esse um assunto que nunca deva sair da pauta. Irei tecer minhas opiniões sobre o relato acima mencionado, em duas frentes. A primeira refere-se à questão psicológica/comportamental e a segunda à matemática financeira.

 

 

MOTIVAÇÃO PARA PARCELAR

 

Primeiramente, seria muita pretensão de minha parte julgar que minha amiga não possui motivos plausíveis para pensar dessa maneira. O crédito realmente facilita o consumo, dado que é possível adquirir bens/serviços antes mesmo de se ter dinheiro. A visão de que comprar parcelado é a ÚNICA saída faz bastante sentido para muitas pessoas.

A falta de disciplina em se guardar dinheiro é suprida pela disciplina compulsória de se pagar as parcelas no futuro.

Apesar de não ser economicamente a melhor decisão, para aqueles que querem ter tudo o mais rápido possível e não possuem o hábito de poupar, o crédito é a melhor alternativa. E como alterar esse hábito? Educação Financeira talvez ajude.

Portanto, abaixo vai minha contribuição.

 

MATEMATICAMENTE, A DECISÃO É RUIM

 

Quais seriam os argumentos técnicos que mostrariam que uma vida, baseada em empréstimos/financiamentos, é menos aconselhável que a alternativa de se comprar tudo à vista?

Realizei uma simulação simplificada, para demonstrar como os juros podem jogar contra ou a favor de um consumidor. A Situação 1 corresponde a quem parcela e paga juros; já a Situação 2 diz respeito a quem recebe juros e compra à vista.

Situação 1 – compras parceladas

Hoje uma pessoa irá comprar um bem no valor de R$1.000,00, pagando 12 parcelas de R$92,71 (taxa de juros = 2% ao mês). Depois de paga a última parcela, financia outro bem, nas mesmas condições de valor, prazo e parcelas. O ciclo se resume a comprar UM bem por ano, no valor de mil reais, sempre de forma parcelada.

Situação 2 – compras planejadas

Hoje a pessoa decide investir dinheiro para que ao final de 12 meses possa comprar, à vista, de um bem no valor de R$1.000,00. Irá investir R$92,71, todo mês, a uma taxa de 0,7% ao mês (perceba que o dinheiro poupado é igual ao valor da parcela da Situação 1). Essa aplicação, após um ano, terá gerado um valor de R$1.164,41, em que o consumidor pagará o bem à vista (mil reais) e poupará a diferença (R$164,41).

 

Comparação entre as situações

Ao final de 30 anos, a pessoa da Situação 1 terá possuído UM BEM a mais que a pessoa da Situação 2. Isso porque, primeiro dia, uma começou a poupar e a outra já comprou o bem financiado – a partir daí, ambas compraram o mesmo produto de mil reais, todo ano.

Por outro lado, com o dinheiro poupado durante os anos, a pessoa da Situação 2 terá R$5.467,08 investido. Esse dinheiro seria capaz de comprar 5 bens de R$1.000,00 à vista, recuperando a “desvantagem” de ter esperado um ano para a primeira compra. Ou seja, o poupador abriu mão do imediatismo, para ter muito mais no futuro.

 

CONCLUSÃO

Embora existam razões psicológicas compreensíveis para que alguém prefira financiar ao invés de poupar, tecnicamente essa não é uma boa decisão. Mudar o comportamento baseado em parcelamentos dependerá de muita força de vontade e educação financeira. E O MAIS IMPORTANTE: será uma escolha a ser feita hoje, com reflexos que determinarão o futuro.

 

É isso aí pessoal. Boa sorte em suas finanças e vida pessoal.

Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • Luis Oliveira

    Ótimo texto Professor!

  • Muito oportuno o ensinamento, obrigado por compartilhar.

  • Ótimo texto! É muito dificil manter uma disciplia de poupar ao invés de parcelar. A cada dia é lançado produtos novos com condições de pagamentos a perder de vista, promoções chamativas o que aflora o nosso lado consumista, onde somo imediarista e não temos a paciência de esperar e ver que é a melhor opção. Mas quem sabe com determinação possamos poupar e colher os beneficios posteriormente?!

    • É isso aí Jussara. Primeiro precisamos mudar interiormente, para que depois nossas ações sejam reflexos da nova pessoa que buscamos ser. Abç

  • Flávia

    Prof. Elisson. Essa sua visão é altamente clara e concordo em gênero, número e grau. O que me deixa muitas vezes confusa é que muitos estabelecimento parcelam o bem em 10, 12 vezes, porém, quando se pede um desconto a vista (compro quase 100% de minhas coisas a vista), náo lhe dão bem 2%!!!. Em minha opinião, se pode parcelar, pode dar o equivalente em desconto, pois sabemos que o dinheiro perde tempo ao longo do tempo. E nem peço descontos mirabolantes. Se me descontar aquilo que meu dinheiro renderia no banco (que sabemos ser baixo) eu compro a vista. Como proceder? Nesse caso, a decisão matemática seria parcelar, certo?

    • Flávia

      Ops, o dinheiro perde valor ao longo do tempo!

    • Olá Flávia. Se vai comprar mesmo o bem e não tem desconto nenhum à vista, parcele. Deixe o dinheiro que compraria à vista rendendo juros e vá pagando as parcelas. No final, vc terá o bem e mais uns trocados. O maior problema da compra a prazo é comprar mais do que se deve ou algo mais caro do que precisaria, simplesmente pq as parcelas cabem no bolso. Ahh, e por sinal Flávia Megda é a mesma que estudou comigo na esalq? Abç.

  • Cleiton Oliveira

    Muita educação financeira e para iniciar: Participar de seu treinamento Mudança de Hábitos – http://habitosfinanceiros.com.br/

  • malanar11

    Eu só adicionaria o efeito inflação, que estenderia um pouco o prazo para comprar os 5 bens de R$ 1.000,00 que não seriam mais R$ 1.000,00. De qualquer forma, a comparação é pertinente.