Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • Tamara Prado

    Como é complicado essa questão de mudar o comportamento financeiro das pessoas…é impressionante a quantidade que existe de pessoas que estão cada vez mais na pior em suas finanças e não fazem nada para melhorar. Deviam se conscientizar da necessidade de manter um fluxo de caixa positivo para então perceber que só há vantagens nisso, nunca desvantagens.

    PARABÉNS POR MAIS UM ARTIGO BRILHANTE
    Estou esperando o próximo! :)

    Um grande abraço!

  • Grande professor Elisson,
    Bom conhecimento não leva a comportamento adequado, não tenho dúvida disto.
    É comum encontrar gerentes de bancos endividados. Também não é raro analistas financeiros de empresas estarem no vermelho.
    Conhecimento e ação são duas coisas diferentes.

    Abraço.

  • fernando J.P

    é sao dos paradigmas . concordo , vejamos medicos , advogados bem instruidos com renomado nome na cidade e vc olha , cara so tem passivos . em todas a vida dele penso em desfrutar dos passivos . acredito que para ter bom sucesso nas financias , alem de conhecimento sobre os fatos tem capacidade de perceber as mudancas economicas. seja em um controle de fluxo de entrada e saida . acho que sao poucas pessoas que tem poder de compreender um grafico ele impreensidivel para saber situacao financeira . se comprrender . talves seja isso parte mais importante . abraco . grande mestre prof Elisson

    • Olá Fernando. Muito obrigado pelas palavras. Espero que possa continuar acompanhando o blog. Abç.

  • Ítalo Nogueira

    Muito bom Post, Professor! Mais uma vez agregando valor para os interessados em educação financeira.

    É muito interessante esse embate entre saber sobre finanças e “agir” segundo esses conhecimentos.

    Para ilustrar meu comentário deixo como dica o filme: Os Delírios de Consumo de Becky Bloom [ Confessions of a Shopaholic ] – 2009. Apesar de ser uma comédia romântica de Hollywood (bem chata diga-se de passagem), o filme conta a vida de uma jornalista desemprega e sem o menor controle financeiro que acaba sendo contratada por um jornal sobre economia justamente para escrever sobre finanças pessoais. O filme é bem mediano, mas acerta na crítica.

    Abraços e Muito Sucesso!

  • Oi Elisson! Parabéns pelo blog. Você tem distribuição dos posts por e-mail (por outra forma que não o feed)? Grato. Abç. Fred

    • Olá Fred. Ainda não tenho essa ferramenta!!! Pensarei com carinho na ideia para o futuro próximo. Abraço

  • Samuel

    Em outras palavras pra concluir melhor esse artigo, acontece que a educação financeira não educa do ponto de vista emocional, porque a relação do ser humano com o dinheiro é mais do psicológico (impulso, por exemplo) do que da racionalidade (informações da educação financeira). Concorda?

    Ah, parabéns pelo artigo.

    • Opa se concordo. É por isso que a Educação financeira deve incorporar psicologia comportamental. Senão, nada feito.