Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • Major

    Muito bom o vídeo Professor!

    Abraço!

  • rafael

    Boa tarde professor,
    tenho uma duvida: no vídeo você demostra como calcular a possível rentabilidade futura do Fundo dividindo o valor pago anteriormente pelo valor da cotação atual multiplicado por 100.
    Porém, considerante que o valor da cota subiu de 100 para 127 reais o valor do alguel esperado deveria ser maior que 0,86, ou estou enganado?

    Grato pela atenção

    • Olá Rafael, vamos ver se consigo resolver sua dúvida. Se invisto R$100,00 e recebo R$0,86 (oitenta e seis centavos), estou tendo um ganho de 0,86%. Todavia, se compro a R$127,00 e ganho os mesmos R$0,86, a minha rentabilidade DIMINUI para algo em torno de 0,67%. Por que isso? Porque estou gastando mais, para receber o mesmo aluguel de 86 centavos. Respondi a sua dúvida? Abraços e comente sempre.

  • Wagner

    Olá, Prof. Parabéns e obrigado pelo artigo.
    Gostaria de tirar algumas dúvidas sobre FIIs:
    – o que leva o Ronaldo a evitar os fundos lastreados em carteiras de crédito (LCI, CRI)?
    – vejo muita discussão em torno do assunto bolha imobiliária no Brasil. Caso isso venha a acontecer, qual o efeito sobre os FIIs? Seria essa uma razão para evitar os fundos de CRI e LCI? Quais oportunidades poderiam surgir no mercado de FIIs, no caso de uma bolha imobiliária?
    – como avaliar se é favorável subscrever cotas de FII quando o cotista é beneficiado com este direito? como participar da subscrição?

    Muitas dúvidas, né? Mas agradeço os ensinamentos preciosos!

    Parabéns e $uce$$o!!

    WAgner

    • Olá Wagner. Questões difíceis hein? rsrsrsrs
      VAmos lá:
      – conversando com o Ronaldo, ele gosta de comprar fundos de imóveis específicos ao invés de fundos de fundos que, segundo ele, é menos previsível, mais arriscado e também complexo de analisar
      – uma bolha, com queda no valor dos imóveis, tenderia sim a ter impacto no valor da cota. Mas não necessariamente, num primeiro momento, nos alugueis recebidos, pois isso é feito por força de contrato por certo período de tempo
      – como avaliar se deve subscrever ou não, vai depender MUITO de caso para caso. É algo muito vago para se responder com certeza. E quanto a como subscrever, deve ligar para a corretora e fazer a subscrição.
      Abração e espero ter ajudado em algo.

      • Wagner

        Obrigado pelas respostas, prof. Elissom!
        E parabéns pelo trabalho!
        abs