Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • Anderson Ribeiro

    Interessante o artigo, mas, não seria necessário uma auditoria nas contas do governo e especialmente da previdência? Além de pensar em cortar benefícios de políticos, magistrados e militares? E ainda há a hipótese de criação de imposto sobre grandes fortunas… E uma sugestão seria deixar o INSS opcional, ou seja, o trabalhador escolhe se quer correr o risco de receber aposentadoria pelo INSS ou se quer administrar o seu dinheiro…

    • Olá @disqus_ATSy5AjC4m:disqus . Muito obrigado pelo comentário. O objetivo desse artigo, por opção minha, foi o de não abordar questões técnicas ou as opções disponíveis. Todas os pontos que sugeriu, CERTAMENTE, fazem parte do debate, mas decidi apenas CONTEXTUALIZAR o assunto para aqueles que possuem pouca intimidade com ele. Forte abraço.

  • Fernando Celso

    Gostei do artigo Mestre! Penso que o governo deve conter outros gastos mais supérfluos, como número de deputados e agregados, por exemplo. Não atingir saúde e educação que, ao meu ver, são (ou deveriam ser) primordiais em qualquer governo. Abraço Mestre.

    • Obrigado pelas considerações @fernandocelso:disqus. Um forte abraço amigo.

  • Pingback: ()