Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • Professor Elisson,

    Considerando a instabilidade política atual e os dados por você apresentados dos dias 17 e 18, você acredita que os títulos do TD podem começar a ser considerados de risco?

    Obrigada,

    • Olá @Simplicidade_e_Harmonia:disqus. Temos dois tipos de riscos envolvidos aqui. Um é a VOLATILIDADE, que significa o quanto um preço oscila ao longo da existência do título. Nesse caso, os prefixados e IPCA são mais arriscados que o Selic. Outro risco é que não receber o dinheiro que investiu. Nesse caso, o Tesouro ainda são os mais seguros… Abraços.

      • Professor Elisson,

        Agradeço por sua resposta, você me ajudou muito.
        Eu sempre pensei que os títulos atrelados ao IPCA fossem mais seguros do que os atrelados à SELIC. Bom saber, assim irei diversificar mais, pois costumo dar preferência à NTN-B pela proteção da inflação.

        Abraços,

  • Rafael Rossi Buzzetto

    Professor Elisson, bom dia.

    Obrigado pela matéria e pelas explicações.

    Confesso que apesar de já conhecer a Curva de Juros, o que aconteceu com o TD foi uma surpresa para mim. Inclusive aproveito para relatar um caso que ocorreu comigo nesse dia: quando as gravações (verídicas ou não) foram divulgadas, em um grupo de amigos do Whatsapp, surgiu a seguinte pergunta, “será que isso pode impactar o TD no curto prazo?”

    Eu mesmo respondi que “não, e que se acontecesse, seria pouca a distorção”.

    Confesso que eu esperava esse comportamento no Mercado de Ações (tanto é que nós tivemos o circuit break da Bovespa no dia seguinte). Eu imaginava que o TD estivesse relacionado mais com o endividamento do estado e com a inflação. Como estamos sem consumo, inflação está em baixa, dólar estava caindo, COPOM com previsão de derrubar mais 0,75% ou 1% na SELIC na próxima reunião no final de maio, etc. não acreditei que o valor de mercado dos títulos fosse ser abalado dessa forma (não achei que a expectativa de mercado tivesse tanto impacto assim no TD). Apesar que, nessa última semana, está voltando a normalidade.
    Meu conceito está errado? Tem alguma lacuna que preciso estudar?

    Obrigado e um abraço.