Alocação de Ativos: Como Balancear Carteiras Diversificadas

Tempo de leitura: 5 minutos

Esse artigo é para os apaixonados por Investimentos, que desejam saber um pouco mais sobre Alocação de Ativos, benefícios da Diversificação e como fazer um Balanceamento de Carteiras.

Continue lendo se deseja saber um pouco mais sobre manutenção de boas rentabilidades e administração de riscos.

 

Alocação de Ativos: o que é?

O processo de alocação de ativos nada mais é do que uma estratégia a ser definida por você, de forma a escolher quais investimentos irão compor sua carteira, levando em consideração seus objetivos e nível de aceitação de risco.

É como bem explico no meu curso online Invista Sem Medo: Um Método Simples e Eficaz, de onde retirei a imagem abaixo.

Montar carteira de Investimentos

Ao analisá-la, podemos observar, no mínimo, 3 requisitos necessários para uma alocação de ativos eficiente e eficaz:

1) Que o método seja simples e prático, não tomando seu precioso tempo em demasia;

2) Que você saiba exatamente o que quer: seus objetivos de curto, médio e longo prazos, e;

3) Que você conheça os melhores investimentos disponíveis em cada categoria de ativos.

 

É importante ressaltar que, da mesma forma que alertei em outro artigo, de nada vai adiantar estudar investimentos, se não tem objetivos claros.

E mesmo se souber investir e tiver consciência de seus objetivos, é primordial que possua uma estratégia bem definida, se quiser evitar muita dor de cabeça.

É sobre isso que falaremos mais adiante.

 

Os Benefícios da Diversificação

Diversificar é muito mais do que colocar os ovos em várias cestas diferentes, de forma a não quebrar todos os ovos, caso apenas uma delas caia.

Num processo de Alocação de Ativos, a diversificação possui 2 benefícios importantíssimos para o sucesso de seus investimentos:

1) Se bem realizada, aumenta suas chances de obter rentabilidades robustas, protegendo seu patrimônio ao longo do tempo;

2) De maneira substancial ela poderá diminuir os riscos assumidos e, por consequência, a volatilidade de sua riqueza.

 

Para tentar explicar esse fenômeno com números bem simples, confira a tabela abaixo:

alocação de ativos e diversificação

 

Suponha que você tenha 3 ativos (investimentos) disponíveis para escolher onde colocar seu dinheiro: Ativo 1, Ativo 2 e Ativo 3.

Veja que os 3 ativos possuem a mesma expectativa de rentabilidade anual: 17% a.a.

Porém, a volatilidade dos 3 ativos são bem diferentes.

Por exemplo, o Ativo 2 é o mais arriscado de todos, por possuir uma volatilidade anual de 33,66% (usamos como medida de risco o desvio padrão de uma série história de retornos).

Pois bem, se você diversificar, investindo a metade de seu dinheiro no Ativo 1 e a outra metade no Ativo 2, que é a Carteira 1-2, você mantém a mesma rentabilidade, mas diminui o risco para 13,16%.

Se inserir o terceiro ativo no portfólio, a chamada Carteira 1-2-3, o risco cai ainda mais, para 12,20%.

Com esse exemplo fictício, pudemos ver que uma Alocação de Ativos adequadamente Diversificada, consegue manter retornos interessantes e, ainda, diminui os riscos de sua carteira.

Obs: para usufruir dos belos efeitos da diversificação acima exemplificada, é interessante montar a carteira com ativos que sejam pouco (negativamente) correlacionados, ou seja, quando um desvaloriza, o outro aguenta a bronca e “devolve” parte do dinheiro perdido, com boa rentabilidade.

 

Estratégia de Balanceamento de Carteira

Obviamente, esse artigo não chega nem perto da intenção de esgotar o assunto sobre Alocação de Ativos.

Se quiser uma visão mais profunda, clique aqui.

Mas quero apresentar uma estratégia bem bacana, que se mostra simples e prática, para ser utilizada por você.

A ideia básica é a seguinte…

Suponha uma carteira bem simples, onde você invista R$20.000,00 apenas em ETFs e Tesouro Direto Selic (quer saber mais sobre esses ativos, clique aqui).

A proporção escolhida por você, dado seu perfil de risco e objetivos foi de: 70% em Títulos Públicos e 30% em Renta Variável (ETF).

Passado um ano, as ETFs desvalorizaram 10% e seu Tesouro Selic subiu 10%.

E a sua carteira ficou da seguinte maneira:

balanceamento de carteira

O mais importante de observar é que, após um ano, as porcentagens dos ativos mudaram.

Agora, o Tesouro Selic (devido sua valorização bem maior frente à ETF) representa 74,04% de sua carteira, e não mais os 70% originais.

E agora, o que fazer?

SIMPLES E PRÁTICO.

Mantenha sua estratégia 70%-30%.

Entre no seu Home Broker e compre ETFs (a preços 10% menores) até que o equilíbrio se restabeleça.

Veja o quadro resumo a seguir:

balanceamento de ativos

Nessa suposição, ao comprar mais R$1.195,13 de ETFs, fazemos o balanceamento e retornamos à estratégia inicial de 70%-30%.

Sem dores de cabeça, sem pressão, sem grandes pesquisas e sem perda de tempo!

Investe bem e utiliza suas energias para as coisas importantes do dia a dia.

 

Considerações finais

Como já explicado ao longo do texto, o presente artigo não finaliza o assunto sobre Alocação de Ativos, Diversificação e Balanceamento de Carteiras.

Os exemplos são meramente ilustrativos para mostrar o PODER de uma boa estratégia de investimentos, que pode ser simples e prática.

No próprio artigo sugeri alguns materiais para ir a fundo nesse assunto, ficando a seu critério continuar seus estudos ou parar por aqui.

Mas espero que tenha aproveitado todo o conteúdo, que foi escrito com bastante carinho para você e aguardo seu comentário ao final desse página.

Forte abraço e até a próxima.

 

QUER RECEBER MAIS ARTIGOS COMO ESSE?

Cadastre seu melhor e-mail e também receba 20 planilhas financeiras gratuitamente

Sobre Prof. Elisson de Andrade

Professor universitário e palestrante sobre Educação Financeira. Engenheiro Agrônomo (USP), Bacharel em Direito (UNIMEP), Mestre e Doutor em Economia Aplicada pela USP. Ganhador do prêmio BM&FBOVESPA de melhor dissertação/tese sobre derivativos (2004). Um eterno apaixonado em aprender e ensinar.

  • malanar11

    Eu diria que a dificuldade da alocação de ativos é definir o tempo certo de realocação, já que cada ativo tem seus ciclos em períodos diferentes, por classe e no caso de renda variável, por ativos específicos. De qualquer forma, a estratégia é válida para garantir ganhos mais estáveis reduzindo o risco.